Cirurgia Plástica muito além da estética

Conheça os tipos de procedimentos realizados pelo Dr. Mário Junqueira
Cirúrgico
Cirúrgico

Cirurgias plásticas realizadas com o objetivo de melhorar a aparência do paciente, aperfeiçoando algum aspecto físico que não o agrada.

Não-Cirúrgico
Não-Cirúrgico

Procedimentos estéticos relacionados aos cuidados para reduzir os efeitos da passagem do tempo, mantendo a aparência facial jovem e atraente.

Pequenas Cirurgias
Pequenas Cirurgias

Procedimentos cirúrgicos de menor complexidade com finalidade estética, reparadora, terapêutica ou diagnóstica.

O objetivo da cirurgia de abdômen é melhorar o contorno corporal, porém também há perda de peso devido à retirada de pele e gordura.

A cicatriz da abdominoplastia fica logo acima da implantação dos pelos pubianos e se estende lateralmente, em maior ou menor extensão, dependendo da flacidez a ser corrigida.

Nos primeiros meses há um edema (inchaço) que irá diminuir gradualmente até desaparecer. Normalmente, o resultado pode ser visto três meses após a cirurgia. Contudo, isso varia de acordo com o biótipo de cada pessoa.

Não. O umbigo é remodelado e transposto e a cicatriz fica ao seu redor, garantindo ótima qualidade.

Sim, porém é recomendado fazer a abdominoplastia somente após ter os filhos programados.

Normalmente há uma dor leve que pode ser tratada com analgésicos prescritos. Contudo, isso varia de pessoa para pessoa.

A mais utilizada é a peridural. Porém, dependendo do caso, o cirurgião, o anestesista e o paciente podem optar pela anestesia geral.

O ato cirúrgico dura cerca de 2 horas e meia e quando é associado à lipoaspiração leva aproximadamente 4 horas.

Normalmente, apenas 1 dia.

Sim, é recomendado o uso de cinta modeladora por 2 a 3 meses.

Sim. São usados curativos especiais na cicatriz inferior e do umbigo, trocados diariamente durante os primeiros 10 dias.

Sim. É comum a associar o procedimento com a lipoaspiração e a colocação de próteses de silicone nas mamas. A possibilidade deve ser avaliada pelo cirurgião considerando a duração das cirurgias e a segurança de ambos.

Sim. Esse tratamento é essencial para a regressão mais rápida do edema (inchaço), da dor e das equimoses (áreas roxas), além de evitar a formação de áreas de fibrose e de seroma. A recomendação é que seja iniciada cinco dias após a cirurgia.

Em casos de menor flacidez, a cicatriz localiza-se na região da virilha, estendendo-se posteriormente até o sulco subglúteo. Quando há grande flacidez, a linha de sutura fica na parte interna das coxas.

Após 48 horas da cirurgia. É recomendado usar sabonetes neutros que não irritem a pele.

Nos primeiros meses, há um edema (inchaço) e a raiz da coxa apresenta certa falta de sensibilidade. Normalmente, o resultado definitivo pode ser visto depois de 12 meses, que é o período necessário para a acomodação dos tecidos e amadurecimento da cicatriz. Contudo, esse resultado varia de pessoa para pessoa.

Esse resultado depende do biotipo e do volume de gordura localizada em cada paciente.

Dependendo do caso e da decisão entre o cirurgião, o anestesista e o paciente, pode ser usada anestesia peridural, raquidiana ou a geral.

O ato cirúrgico dura entre 3 e 4 horas.

A cicatriz fica localizada no início do sulco interglúteo, prega natural existente entre as nádegas. Por ficar num lugar estratégico, possui boa evolução e resultado muito discreto, ficando quase imperceptível.

A prótese glútea é escolhida na consulta médica após minucioso exame físico e leva em consideração as particularidades de cada paciente, como altura, tamanho do tronco e do quadril, além de preferências acerca da consistência, forma e volume das nádegas.

As próteses são fabricadas com um material extremamente resistente e distensível e tem a proteção de uma grande camada de tecido adiposo glúteo e do músculo glúteo máximo, o que diminui a incidência de ruptura em traumas nesta região.

Não. Após a cirurgia as injeções intramusculares não poderão mais ser realizadas nos glúteos. Elas poderão ser dadas nos baços e nas coxas sem qualquer malefício e com a mesma eficácia.

A prótese glútea fica no plano intramuscular, envolvida por fibras do músculo glúteo máximo e protegida pelo músculo e pela camada de tecido adiposo.

Nos primeiros três dias o paciente pode sentir um pouco de dor devido à distensão muscular provocada pela prótese entre as fibras do músculo glúteo máximo. Porém, ela é controlada com os analgésicos e anti-inflamatórios receitados pelo cirurgião.

Cerca de 90% do edema (inchaço) regride após três meses, período em que ocorrem as maiores mudanças no formato. O resultado definitivo costuma aparecer cerca de seis meses depois da cirurgia, quando todo o inchaço terá cedido. Contudo, isso varia de acordo com o biótipo de cada pessoa.

Dependendo do paciente e das indicações, a anestesia pode ser peridural ou geral.

O ato cirúrgico dura entre uma hora e meia e duas horas.

Geralmente 24 horas.

Normalmente, 48h após a cirurgia, logo depois de retirar o dreno.

Com o passar do tempo, a prótese glútea sofre um desgaste natural, gerando alteração em seu formato. No entanto, devido ao grande desenvolvimento tecnológico das próteses glúteas, atualmente acredita-se que as próteses devem ser trocadas após 20 anos, sendo necessário analisar cada caso. 

Sim. A cirurgia de prótese glútea é comumente associada à lipoaspiração, porém essa possibilidade deve ser conversada com o cirurgião.

A lipoaspiração reduz o volume de gordura corporal em áreas localizadas, garantindo melhor contorno corporal. O procedimento não é indicado para perder peso, uma vez que a maior mudança acontece na silhueta corporal e não na balança.

A lipoescultura modela o corpo, utilizando parte da gordura aspirada para preencher outras regiões, como glúteos, culotes e sulcos da face.

Pacientes com gordura localizada e em seu peso ideal ou próximo dele, com pele de boa qualidade, sem flacidez e com boa elasticidade.

Dependendo da área a ser operada e do volume de gordura a ser aspirado, pode ser utilizada anestesia local, local com sedação, peridural ou anestesia geral.

De 12 a 24 horas, dependendo da extensão da cirurgia e da anestesia usada.

O ato cirúrgico dura de uma a cinco horas, de acordo com a extensão da área a ser lipoaspirada.

Sim. A recomendação é que seja lipoaspirado entre 5 a 7% do peso corporal do paciente ou 40% da área corporal total.

As cicatrizes da cirurgia de lipoaspiração medem entre 5 e 10 mm e ficam localizadas em áreas escondidas no corpo, como na área do biquíni, no sulco mamário, dentro do umbigo, no sulco glúteo ou na prega dos cotovelos, dependendo das áreas a serem lipoaspiradas.

A lipoaspiração pode ser feita em locais com acúmulo natural de gordura, como abdômen, dorso, coxas, culotes, pernas, braços, pescoço e face. O procedimento não pode ser feito em regiões articulares, como cotovelos, ombros, tornozelo e região posterior dos joelhos.

Nas lipoaspirações maiores, principalmente se forem associadas a outros procedimentos, os drenos podem ser utilizados por um período de 2 a 5 dias. Nas cirurgias menores os drenos não são necessários. 

Sim. No primeiro mês após a cirurgia, a cinta deve ser usada 24h por dia, só a retirando para o banho e higiene pessoal. No segundo mês, é permitido ficar algumas noites sem ela, dependendo da avaliação do cirurgião plástico.

Pacientes que estão no peso ideal ou bem próximos dele, com pele de boa qualidade e sem flacidez.

Sim. A lipoescultura é comumente associada a cirurgias que têm o objetivo de eliminar gordura e flacidez, como a abdominoplastia.

As cicatrizes da lipoescultura são muito pequenas e discretas. As incisões são feitas em regiões mais escondidas, evitando marcas na pele. Entretanto, isso varia de pessoa para pessoa.

É possível ver resultados cerca de seis meses depois da cirurgia, quando todo o inchaço terá cedido. Contudo, isso pode variar de pessoa para pessoa.

O objetivo da cirurgia de abdômen é melhorar o contorno corporal, porém também há perda de peso devido à retirada de pele e gordura.

A cicatriz da mini abdominoplastia fica acima da implantação dos pelos pubianos, prolongando-se lateralmente em maior ou menor extensão, dependendo do volume a ser corrigido.

Normalmente, o resultado definitivo aparece entre o 12º e o 18º mês, após o edema (inchaço) ceder. Contudo, esse resultado varia de acordo com o biótipo do paciente.

Não. O umbigo é remodelado e transposto e a cicatriz fica ao seu redor, garantindo ótima qualidade.

Nem sempre. Isso depende do tipo de tronco, pois se ele for do tipo curto dificilmente será corrigido, mas se for do tipo longo o resultado será mais favorável.

Dependendo do caso, a anestesia pode ser geral ou peridural.

Geralmente 24 horas.

A ninfoplastia deixa uma cicatriz pouco perceptível nos pequenos lábios vaginais devido à localização e ao tipo de pele do local.

Cerca de 40 minutos.

A sensibilidade dos pequenos lábios vaginais pode ficar alterada temporariamente, porém a sensibilidade do clitóris não é alterada, pois não há manipulação dessa região durante a cirurgia.

A ninfoplastia não altera em nada uma possível gravidez ou parto. Porém, por ser um procedimento cirúrgico pode gerar complicações e é recomendado consultar seu especialista para que sejam tomadas todas as precauções cabíveis.

O resultado definitivo é alcançado depois de seis meses, porém isso varia de acordo com o biótipo de cada pessoa.

A recomendação é voltar a ter relações sexuais após 45 dias de pós-operatório, pois geralmente a cicatrização se completa em até quatro semanas.

A cirurgia da face promove o rejuvenescimento da pele através da diminuição de marcas e rugas. Porém, não é possível determinar quantos anos o paciente irá rejuvenescer, pois isso depende de fatores como idade cronológica, sua idade aparente e condições da pele.

As cicatrizes da cirurgia são permanentes, mas me tornam menos perceptíveis com o passar do tempo. Durante esse processo é possível utilizar recursos cosméticos, como maquiagem e penteados, para disfarçar as cicatrizes recentes.

A cirurgia da face promove o rejuvenescimento da pele, porém não interrompe o processo de envelhecimento. Dependendo do caso, é necessário retocar a pele após um ou mais anos para manter o resultado obtido na primeira operação.

Anestesia geral ou local com sedação, dependendo do paciente.

O ato cirúrgico leva de duas a cinco horas, dependendo da extensão da área a ser tratada.

Meio período para cirurgias feitas sob anestesia local e 24h para procedimento realizados sob anestesia geral.

Recomenda-se retomar o uso da maquiagem após uma a duas semanas de pós-operatório.

Entre o 2º e o 7º dia após a cirurgia, dependendo da recomendação do cirurgião. Para secá-los, pode-se usar o secador manual com ar levemente aquecido.

O resultado definitivo é alcançado ente seis mês e um ano após a cirurgia. Entretanto, isso varia de pessoa para pessoa.

Não. Os cortes de cabelo são feitos apenas nas áreas das incisões e depois da cirurgia podem ser disfarçados com o penteado.

Praticamente não existem cicatrizes aparentes na rinoplastia porque as incisões são feitas dentro do nariz ou nos sulcos. Em alguns casos, quando o médico opta pela rinoplastia aberta, uma cicatriz imperceptível é colocada na columela (parte inferior do nariz).

No período pós-operatório, a respiração fica sutilmente comprometida devido ao inchaço na parte interna do nariz e a entrada de ar nas narinas é diminuída porque o movimento das asas nasais fica um pouco comprometido. Porém, esses efeitos desaparecem gradualmente e o paciente volta a respirar normalmente.

Não. Durante a consulta, o cirurgião deve explicar ao paciente o que a rinoplastia pode proporcionar e apresentar o melhor procedimento para manter o equilíbrio entre o nariz e a face. O médico deve analisar as medidas e proporções entre o nariz e as demais estruturas da face através do exame físico, fotografias e até exames de imagem, caso sejam necessários, para oferecer ao paciente a melhor forma possível para seu nariz.

A cirurgia é recomendada para pacientes a partir dos 16 anos, quando o desenvolvimento facial já está concluído.

Em muitos casos a fratura dos ossos não é necessária. Esse procedimento é indicado para pacientes que possuem desvio da região superior do nariz, quando têm a pirâmide nasal muito larga e quando há excesso de osso na parte superior do nariz. A fratura é realizada após a raspagem e aproxima os ossos em direção ao meio, corrigindo a falha.

Normalmente, entre 90 e 120 minutos. Porém, o ato cirúrgico pode demorar um pouco mais caso exista desvio de septo ou o paciente já tenha operado o nariz.

Em caso de septoplastias e fraturas nasais, normalmente é usada a anestesia geral. Em outros casos, pode ser usada a anestesia local com sedação.

Geralmente, 12 horas em caso de anestesia local com sedação e 24 horas em caso de anestesia geral.

Sim. Após a cirurgia o nariz é imobilizado com um curativo feito de um plástico enrijecido, fixando os ossos nasais até a cicatrização. Este curativo é retirado no consultório entre o 7º e 10º dia de pós-operatório.

Após a retirada dessa estrutura, é mantido um curativo com uma fita adesiva em todo o nariz para acelerar a absorção do inchaço e ajudar na acomodação da pele do nariz sobre os tecidos nasais. Esses curativos são mantidos, normalmente, durante duas semanas.

Nas primeiras 48 horas após a cirurgia podem ocorrer pequenos sangramentos. Porém, um curativo com gaze é deixado na base do nariz nesse período para controlar pequenos sangramentos.

Nas primeiras duas semanas, o paciente deve dormir com a cabeça elevada no travesseiro para acelerar a regressão do edema. Durante o primeiro mês, a recomendação é manter a cabeça para cima para não encostar o nariz no travesseiro e causar desvios no nariz.

O resultado definitivo é alcançado a partir do sexto mês após a cirurgia. Contudo, isso varia de acordo com o biótipo do paciente.

Não. As cicatrizes são pequenas e localizam-se na região da orelha. Porém, isso varia de pessoa para pessoa.

O ato cirúrgico leva, normalmente, cerca de 90 minutos.

O paciente recebe alta no mesmo dia.

A anestesia pode ser geral ou local, dependendo do paciente.

Após a cirurgia, o edema (inchaço) aumenta até o segundo dia e depois começa a diminuir, chegando a um resultado quase natural por volta da segunda semana.

A cicatriz fica atrás da orelha e é pequena.

A cirurgia é recomendada para pacientes a partir dos 6 anos de idade, quando as orelhas já atingiram o tamanho definitivo e a criança começa sua exposição social na escola.

Para crianças, usa-se a anestesia geral ou local com sedação. Em adultos, é utilizada a anestesia local com sedação.

Normalmente, 1 hora e meia.

É feito um curativo tipo touca com gaze para proteger as orelhas. Depois de ser retirado no consultório, o paciente deve usar uma faixa de proteção durante 45 dias, para evitar traumatismos locais.

O paciente deve manter o rosto sempre virado para cima, nunca para o lado, porque as orelhas não podem apoiar-se no travesseiro.

O resultado definitivo é alcançado depois de três meses, porém após retirar o curativo já se obtém em torno de 70 % do resultado esperado.

As cicatrizes da blefaroplastia são finas, de boa qualidade e ficam no sulco palpebral superior e 2mm abaixo da borda ciliar inferior.

A ressecção ou reposicionamento dessas bolsas corrige esse defeito, melhorando substancialmente a área das pálpebras e o olhar.

Anestesia local com sedação.

Em alguns pacientes, o edema (inchaço) apresenta-se com um aspecto bastante natural entre o 4º ou 5º dia e outras atingem esse resultado após o 8º dia.

Normalmente, cerca de 1 hora e meia.

O resultado final é alcançado, em geral, seis meses após a cirurgia. Contudo, isso varia de pessoa para pessoa.

Não. A recomendação é apenas colocar compressas frias por alguns minutos, várias vezes ao dia, durante os primeiros 2 dias, para ajudar na regressão do inchaço das pálpebras.

Varia de pessoa para pessoa. Contudo, as cicatrizes da cirurgia de prótese mamária ficam em locais bem escondidos, são pequenas e de boa qualidade. Elas podem ficar no sulco formado entre a mama e o tórax, no limite externo e inferior da aréola ou na axila.

Não. A prótese de mama deve ser escolhida após um minucioso exame físico, realizado com várias medidas da mama e do tórax para que o cirurgião possa indicar a forma e o tamanho mais adequado e proporcional a cada corpo.

O trauma torácico para estourar a prótese de mama teria que ser forte o suficiente para quebrar costelas e provocar danos pulmonares. Caso isto aconteça, o fabricante costuma providenciar outra prótese ao paciente sem custos e a cirurgia de troca do implante pode ser realizada pela mesma cicatriz prévia.

Normalmente não. A prótese pode ser colocada abaixo do músculo ou logo abaixo da glândula mamária, pois em ambas as situações não existe interferência no crescimento mamário durante a gravidez e amamentação. Nas cirurgias com cicatriz na aréola, pode ocorrer uma pequena redução na eficiência da lactação, pois nela ocorre lesão de alguns ductos mamários para permitir a colocação da prótese.

O resultado final é observado, em geral, seis meses após a cirurgia, quando o edema (inchaço) desaparece. Porém, isso varia de pessoa para pessoa.

Pode ocorrer pequena diminuição de sensibilidade nas mamas após a cirurgia, mas ela é temporária e tende a voltar ao normal em um período de até seis meses.

A anestesia peridural é a mais utilizada, porém em alguns casos o paciente recebe anestesia geral.

A duração média do ato cirúrgico é de 90 minutos.

Normalmente, 24 horas.

Varia de acordo com o biótipo do paciente. A prótese de mama aumenta o volume da mama e promove certa distensão na pele em casos de pequenos excessos de pele, podendo corrigir essa situação.

O formato e a extensão da cicatriz dependem da técnica utilizada e do tipo de mama da paciente, o que será definido durante a consulta médica. Dependendo do procedimento escolhido, pode-se ter cicatriz periareolar, com cicatriz vertical, com cicatriz em “T invertido ou cicatriz em forma de “L”.

A anestesia peridural é a mais utilizada, porém em alguns casos o paciente recebe anestesia geral.

O ato cirúrgico dura cerca de três a quatro horas, dependendo de cada paciente.

Normalmente, 24 horas.

A consistência e a forma são naturalmente melhoradas após a cirurgia, com a correção da ptose (queda) mamária ou hipertrofia, caso existam. Quanto ao tamanho, é possível optar por vários volumes dentre os que a mama original permitir, respeitando as proporções entre volume da nova mama, tamanho do tórax e altura da paciente.

O resultado final pode ser visto entre o 6º e 12º mês, quando as mamas atingem forma, consistência, sensibilidade e volume definitivos. Contudo, isso varia de pessoa para pessoa.

Sim, são colocados curativos modeladores para proteger as cicatrizes e acelerar a regressão do edema mamário, trocados periodicamente no consultório no período determinado pelo cirurgião plástico.

Geralmente, 48 horas após a cirurgia. Porém, é fundamental evitar molhar as cicatrizes na primeira semana para acelerar a cicatrização e evitar infecções cirúrgicas.

A cirurgia de mastopexia remove o excesso de pele e reposiciona o tecido mamário, deixando os seios mais firmes. Também é possível retirar pequena quantidade de glândula mamária ou colocar implantes mamários.

Não. Mas se a paciente possui flacidez de pele e pouco volume de glândula mamária, é possível utilizar uma prótese para complementar o volume das mamas. Isso dá mais consistência às mamas e deixa o colo mais harmônico.

Normalmente, anestesia geral.

Em geral, a paciente tem alta no mesmo dia da cirurgia.

No primeiro mês, o sutiã cirúrgico deve ser usado 24 horas por dia, inclusive para dormir. No segundo mês, a paciente pode utilizar o sutiã apenas durante o dia.

O formato e a extensão da cicatriz dependem da técnica utilizada e do tipo de mama da paciente, o que será definido durante a consulta médica. Dependendo do procedimento escolhido, pode-se ter cicatriz periareolar, com cicatriz vertical, com cicatriz em “T invertido ou cicatriz em forma de “L”.

Geralmente, anestesia local com sedação.

O ato cirúrgico dura entre uma hora e uma hora e meia.

O resultado varia de acordo com o biótipo do paciente e pode ser visto a partir do primeiro mês após a cirurgia.

Ainda tem dúvidas
Envie suas perguntas para o Dr. Mário Junqueira
Solicite uma ligação! Assim que recebermos seu contato, ligaremos para você

Assine nossa newsletter!

Receba as novidades do Dr. Mário Junqueira e mantenha-se informado.
Clínica Capelli
Tel.: (62) 4141-6333

R. 146, nº 82 - Setor Marista, Goiânia - GO, 74170-090

Clinica Revitalize
Tel.: (64) 3431-5786

R. Dr. Valdivino Vaz, 67 - Centro, Itumbiara - GO, 75503-040